Grito Número Setenta e Cinco:

quarta-feira, 2 de março de 2011

A Noiva de Vermelho

O rosto se encontrou pálido
Alvo como o vestido tão belo que mal usara
O cheiro da morte elucidava o acontecido
Os olhos sem brilho espalhava o fosco gris por toda cara

O menino-deus ao canto não podia encará-la
As pinturas de bispos beneditinos de vermelho respingadas
Assim como tudo ao redor desta sagrada sala
De vermelho, de impacto e de sangue lavadas

De velhos amores, de certos rumores e do instante das dores
O semblante dos velhos retrados rasgados de anos se fez regressado
E sorria contente depois que todos os outros presentes neste sacramento que até então comemoravam...

(...mas houve um velho motivo para calaram-se para sempre)

O ciúme das flores, o misto de cores com o vermelho dos dissabores
Ilustaram o massacre, de um homem frustrado que segurava um machado
Todo o clero, todos os entes e os noivos malditos que perdiam seus dentes, neste casamento pagaram...

(...até mesmo o meu fruto que se dava por perdido em seu ventre)

2 comentários:

Patrícia Lemmon disse...

Me imaginei no local, muito sinistro, cena de filme de terror.

Mateus disse...

Nossa, é verdade. A gente se imagina na história... Para Arsky:
Observei seu perfil e vi que seu livro preferido é a garota das laranjas.

Estamos falando da mesma garota? Aquela que é a mãe do garoto que perdeu o pai?! Espero que sim. Existem várias obras com o mesmo nome... Gostei muito do livro. Um dos melhores que já li, mesmo sendo um livro pequeno. Iniciarei a leitura do livro O Menino do Pijama Listrado. Já leu este? Deve ser legal, apesar de ser dramático.
Voltand à garota das laranjas: queria que fizessem um filme sobre o livro. Ficaria legal...

Li A Garota das Laranjas ano passado e não esqueço dos detalhes. Parece vida real. Mas não é uma história feliz. O pai morre e isto influencia na vida do garoto...

Me responde se quiser, deixando um comentário em: http://www.mateuscordova.blogspot.com