Grito Número Oitenta e Dois:

sexta-feira, 18 de março de 2011


Porque se me acorrentassem pela eternidade e eu só pudesse pedir três pequenas coisas para me acompanhar para todo o sempre eu gostaria de um café puro, lápis e papel...


Há milhões de sentimentos em mim, elas fervilham e exercem uma pressão vulcânica.
Precisam sair de qualquer forma.
Como no pugilista que coloca toda sua vida em alguns minutos no ringue.
Como no patinador que dispõe sua vida em saltos mortais.
Como no mendigo que vendeu a vergonha para saciar a fome da noite.
E como eu, um reles qualquer, que quer fazer de uns traços o seu ponto de apoio.
E se para mais alguém servir, fica cada vez melhor.

3 comentários:

Patrícia Lemmon disse...

A foto em total sintonia com suas palavras.

Cecília Arsky disse...

Adorei!

Anônimo disse...

Belas ilustrações, que nunca te faltem lápis e papel à mão!

Bruna Barievillo