Grito Número Cento e Vinte e Dois:

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

POSITIVO E OPERANTE

Já faz mais de cinco anos que o observo. É dono de uma pequena banca de petiscos na Rua Vergueiro. Vende sucos, balas, salgadinhos e outras coisas com gosto de infância. Mas não são seus produtos que me chamam a atenção. Nem mesmo a letra de "Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores", de Vandré, pintada na lateral da banquinha.
Todos os dias bem cedo, ele faz as amarras do toldo de sua banca, arma uma cadeira de praia velha, devora uma fruta e lê o jornal, tudo isso sem usar as mãos, até porque ele não as tem. Pelas cicatrizes julgo ser amputado, mas talvez seja de nascença, quem sabe.
Um dos membros acaba logo depois do cotovelo, lado que usa como uma pinça para seguras as coisas, de jornais às maçãs. O outro vai até os dedos da mão, mas sem o polegar, e os dedos que lhe sobram parecem com garras de um velho com artrite severa.
Como não pode pegar as moedas que as pessoas lhe pagam, pede para que coloquem no display na ordem dos valores (da escassa moeda de 1 centavo até as de 1 real), pede também para que peguem o troco. Nunca pede para que mostrem o valor pego. Talvez ele acredite que ninguém tem coragem de roubar moedas de um aleijado, talvez confie plenamente no coração das pessoas. E sempre sorri.
Não gosta de dar informações, razão pela qual imprimiu um cartaz com as principais perguntas que podem lhe fazer; é um visionário: fez um FAQ sem mesmo saber o que é isso.
E olhando este homem toda vez que posso me faz crer que nada é um obstáculo de verdade e que por detrás de cada passo duro existe algo a ser aprendido, independente de karma ou força divina, aprender a ser um ser humano melhor e mais forte.
E ainda que ali naqueles membros não haja polegares para enviar um sinal de positivo, existe um sinal positivo muito mais forte por detrás de seus óculos arredondados. Sempre e positivo e operante, "quem sabe faz a hora, não espera acontecer".

1 comentários:

Patrícia Lemmon disse...

E mta gente com 10 dedos não tem a coragem de viver q esse cara tem... nem a confiança que ele deposita nas pessoas. Fico na dúvida se é confiança ou ingenuidade, ou quem sabe, os dois juntos.
Parabéns Dan, ótimo texto.

Tava com saudade de seus textos.