Grito Número Oitenta e Seis:

domingo, 3 de abril de 2011

FAÇA ALGUMA COISA, PORRA!

Não precisa queimar tudo!
Não precisa queimar todos!
Basta você se apegar!
Não precisa mudar tudo!
Não precisa ir contra todos!
Basta apenas acreditar...

Nas estrelas que brilham como fogo de revolta
E cometas que são como tiros de polícia a sua volta
Crescer sem esperança é viver em vão
Desnecessárias são as armas
Quando se tem o poder da canção

Qualquer um podia estar frente a mil tanques
E faze-los parar para ouvir a sua voz
E com palavras de brilhantes
Que promovem os sonhos belos de todos nós

Quem sobreviveu mais um dia na cancha do matadouro?
Somos aves presas pelos pés
Somos próximos na fila para retirar o couro
Onde estão nossas palavras de fé

Força onde não mais há
Para abrir o peito
E faze-lo gritar

Mudar
Trocar
Não precisa matar
Não precisa queimar
Melhorar
Aceitar
Que dias bons após a tormenta
Sempre tendem a chegar

4 comentários:

Youko Natas disse...

Como eu disse préviamente, a melhor arma é a coscientização. E para tê-la não precisa de documentação.
Enrrriquecimento de verdade deve ser o intelectual, o resto é só conquista.
Punhos em chamas irão difundir as estruturas da cidade, tal o calor da revolução. E até o brilho das estrelas será ofuscado pelo brilho nos olhos...

Carol Andrade disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carol Andrade disse...

Como descrito no comentário anterior tbm , se houvesse melhor compreensão e união seria mais fácil fazer alguma coisa, porém,se ocorresse, provavelmente alguem iria querer ser melhor ou "mais poderoso" q o outro e isso iria gerar conflito entre quem deveria estar se unindo e as verdadeiras causas as quais deveriam ser conflitadas,no caso, ficariam esquecidas!Parece que as pessoas não acreditam mais em nada e não tem paixão nem fervor por não acreditam então acabam "preguiçosos" e quando pensam em algo se tornam revolucionários ociosos!

5 de abril de 2011 13:11

Anônimo disse...

Grandes mudanças começam por pequenos atos, mudar de restaurante, mudar o lado da rua em que se caminha, mudar a cor da caneta com que se escreve. Só é preciso começar por algum lugar. Não precisa ser grandes incêndios, pode ser um incenso que você nunca cheirou. O importante é mudar enquanto espera que a tempestade passe. Começar pelas coisas pequenas [pelas coisas primeiras como escreveu Aristóteles] para conseguir mudar as grandes.E quando ela passa você nota que já não é mais o mesmo.
É muito gostoso acompanhar tua evolução como escritor, seus gritos não são mais desafinados como no início, eles têm cadência, harmonia. cada vez melhor!

Bruna Barievillo