Grito Número Quarenta e Nove:

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Eu Me Apaixonei Por Ninguém, De Propósito

Eu me apaixonei por ninguém
Depositei meus votos, devoto
Eu me entreguei ao vento que secou
Meu suor que sempre esteve a me afogar

Dos copos de veneno bebi alguns que contém
Algo que vá para muito além do escopo
De algo que somente maltratou, desditou
O calor de minhas mãos a me congelar

Os restos do corpo
As feridas de mentira
Quisera eu devorar com afinco qualquer alguém

Meus dias de morto
A falsa sede de ira
Eu odiei a mim mesmo, me apaixonei por ninguém

(Somente para poder sofrer isolado, desolado.)

(Como me maltratei, só para poder ter sobre o que escrever...)

1 comentários:

Luís Pedro disse...

vou fzr um gracejo, rsrs
"me apaixonei por ninguém (...) só pra poder ter sobre o que escrever"! Me sinto assim em dias como esse, e vc sabe retratar bem isso!