Grito Número Cento e Sessenta e Sete:

terça-feira, 24 de abril de 2012

SÓ EXISTE LUA NOVA PARA O QUE NÃO LEVANTA A CABEÇA PARA NADA

Ela era uns poucos pares de anos mais velha do que eu. Sua pele era tão pálida quanto o astro a que fazia referência seu nome.
Mas a pobre Luna não era tão feliz quanto uma noite de luar de céu purpúreo, devido à circunstância dos fatos. Boatos sobre uma libidinosa aventura solitária na sauna do clube renderam-lhe apelidos maldosos de cada jovem malicioso que vivia naquela pequena, pacata e maldita cidadezinha provinciana do interior do Paraná.
Eu tinha por volta de doze anos e ela já era uma moça, quando eu a via passando vexaminada pelos corredores de nosso colégio. Seus lindos olhos negros sempre olhavam para baixo. Eu só a conhecia de vista e de boatos, cada vez maiores.
Um dia eu disse para aqueles olhos tímidos de tão ridicularizados que foram por tanto tempo: - Oi, Luna! - e sorri um sorriso imbecil e inocente. Ela ergueu seus olhos sem dizer nada, me sorriu com o canto da boca e seguiu seu caminho. Vi pequenas estrelas em seu olhar e ouvi as velhas águas passarem por debaixo da ponte sem deixar saudade.
Ela nunca me disse uma só palavra, mas seguiu sempre sorrindo para mim com seu canto tímido, talvez por eu ter usado seu nome uma vez no lugar do apelido infame. 
E quão tolos eram os que não puderam enxergar, ainda que todos seus boatos fossem verdades, como eram inocentes aqueles olhos escuros!


...Ah, eu e minha mania boba de romantizar os personagens da vida real!
  

5 comentários:

Andressa Melo disse...

Mas, se a vida é uma grande romantização dos acontecimentos! Escrever é dar vida ao inanimado, luz ao sombrio e romantismo ou pacato.

Pobre Luna, andava com a cabeça tão baixa que só enxergava o briho fosco da lua refletida no chão.

Patrícia Lemmon disse...

Quantas Lunas não existem por aí?

Carol Andrade disse...

Conheço uma história igual a desta Luna...
Você conseguiu deixar encantadora, linda, poética e apaixonante,acho q poderia continuar e escrever um livro, sabe!

um beijo, sdds :*

Monique Burigo Marin disse...

Também tenho essa mania, às vezes me prejudica, com você é assim também?
A verdade é que algumas personagens merecem um olhar mais profundo, um olhar que queira enxergar o que há por dentro.
Belo texto, Dan.

Mariana Bisonti disse...

Achei lindo como eu pude imaginar todos os contextos inseridos nesses poucos parágrafos, sem que você precisasse explicar nada demais.. Ficou tudo implícito e bem claro.
Além de muito doce..